Senadora Mailza Gomes vota a favor de auxílio de R$ 60 bilhões para estados e municípios; Acre será beneficiado com mais de R$ 940 milhões

Para enfrentamento ao covid-19 prefeituras do Acre receberão cerca de R$ 146 milhões

COMBATE AO CORONAVÍRUS

A senadora Mailza Gomes (Progressistas- Acre) votou a favor do auxílio de R$ 60 bilhões do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (PLP 39/2020) que prestará auxílio financeiro a estados e municípios para combate à pandemia da covid-19. Além dos repasses, os entes federativos também serão beneficiados com a liberação de R$ 49 bilhões através da suspensão e renegociação de dívidas com a União e com bancos públicos e de outros R$ 10,6 bilhões pela renegociação de empréstimos com organismos internacionais, que têm aval da União. Totalizando um auxílio de R$ 125 bilhões para ajudar no combate ao novo coronavírus.

Para enfrentamento ao covid-19 prefeituras do Acre receberão cerca de R$ 146 milhões

O Acre será beneficiado com mais de R$ 940 milhões para serem aplicados na área da saúde do estado e municípios e também na suspensão de dívidas. A matéria agora segue para análise na Câmara dos Deputados. 

A senadora Mailza, destacou a importância dessa ajuda aos municípios do Acre. “A votação de sábado foi histórica para o nosso Brasil. Esse repasse emergencial vai ajudar a salvar vidas e a salvar a economia de estados e municípios. Teremos recursos para comprar equipamentos médicos, testes e atender a população mais vulnerável. Como sabemos, o nosso Acre é um estado ainda que precisa desenvolver muito. E esse projeto vai proporcionar quase R$1 bilhão para ajudar o nosso estado no enfretamento ao novo coronavírus. Após aprovado pela Câmara e sancionada pelo presidente Bolsonaro, precisamos agir rápido para garantir que os recursos estejam disponíveis para nosso Acre e já aplicados na Saúde de nossa gente”, destacou a parlamentar.

Dívidas

A suspensão de dívidas abrangerá os pagamentos programados para todo o ano de 2020. Os valores não pagos serão incorporados ao saldo devedor apenas em 1º de janeiro de 2022, atualizados, mas sem juros, multas ou inclusão no cadastro de inadimplentes. A partir daí, o valor das parcelas que tiveram o pagamento suspenso será diluído nas parcelas seguintes.

Os valores pagos durante o período de suspensão serão atualizados e somados aos encargos de adimplência para abaterem o saldo da dívida a partir de janeiro de 2021. As parcelas anteriores a março de 2020 não pagas em razão de liminar da Justiça também poderão ser incluídas no programa. Também nesse caso não caberão juros e multa por inadimplência.

Em outra frente, o substitutivo permite a reestruturação das dívidas internas e externas dos entes federativos, incluindo a suspensão do pagamento das parcelas de 2020, desde que mantidas as condições originais do contrato. Nesse caso, não é necessário o aval da União para a repactuação e as garantias eventualmente oferecidas permanecem as mesmas.

Para acelerar o processo de renegociação, a proposta define que caberá às instituições financeiras verificar o cumprimento dos limites e condições dos aditivos aos contratos. Já a União fica proibida de executar garantias e contra garantias em caso de inadimplência nesses contratos, desde que a renegociação tenha sido inviabilizada por culpa da instituição credora.

Histórico

O PLP 149/2019 foi apresentado pelo governo à Câmara em junho para ajudar estados e municípios em situação financeira difícil a recuperarem o equilíbrio fiscal. Apelidado de “Plano Mansueto” (nome de seu idealizador, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto de Almeida), o texto previa o refinanciamento de dívidas com a União e novos empréstimos, além de aumentar as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101, de 2000) para que as contas públicas dos entes federativos permanecessem equilibradas a médio e longo prazos.

Com o agravamento da pandemia da covid-19, e como o projeto já estava pronto para ser votado pela Câmara, os deputados usaram o texto para propor um programa de socorro aos entes da Federação. O ponto central era a compensação por perdas de arrecadação causadas pela queda na atividade econômica. Aprovado em abril, o novo PLP 149/2019 foi enviado ao Senado.

O projeto da Câmara, no entanto, desagradou a área econômica do governo federal por obrigar a União a compensar toda a perda de arrecadação com o ICMS e o ISS de abril a setembro de 2020, sem contrapartidas ou valor fixo.

O governo fez então uma contraproposta. Em audiência pública no Senado, na última quinta-feira (30), o ministro da Economia, Paulo Guedes, explicou que a União se propunha a desembolsar cerca de R$ 120 bilhões para ajudar estados e municípios, por meio de auxílio direto, suspensão do pagamento de dívidas e reforço ao Sistema Único de Saúde (SUS) e ao Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Como contrapartida, os entes adotariam medidas de controle dos gastos públicos.

O tema já era tratado, no Senado, pelo PLP 39/2020, do senador Antonio Anastasia (PSD-MG), e, assim, os dois projetos passaram a tramitar em conjunto, cumprindo requerimento dos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Esperidião Amin (PP-SC). Numa medida rara, a relatoria dos projetos foi entregue ao presidente Davi Alcolumbre, que fez a opção por dar preferência ao PLP 39/2020 para que o Senado pudesse tomar a frente nas negociações entre o Congresso e o Executivo. O parecer aprovado levou ao arquivamento do PLP 149/2020, que integrava o Plano Mais Brasil do governo federal.

Fonte: Assessoria de Comunicação e Agência Senado

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades em primeira mão!