Senadora Mailza destina cerca de R$ 5 milhões para unidades do programa Casa da Mulher Brasileira

Rio Branco, Cruzeiro do Sul e Epitaciolândia terão unidades do programa federal com apoio de emendas parlamentares da senadora

A senadora Mailza Gomes (Progressistas/AC) destinou R$ 4,8 milhões de reais (quatro milhões e oitocentos mil) para a construção de unidades da Casa da Mulher Brasileira em Rio Branco, Cruzeiro do Sul e Epitaciolândia no Acre. O programa federal que visa combater à violência contra a mulher vai oferecer, em um único espaço, um ambiente confortável e seguro para acolher e prestar todo o apoio psicológico e de assistência para as mulheres. As Casas irão atender mulheres dos municípios e suas respectivas regionais.

Senadora-Mailza-Gomes dia internacional da Mulher homenagem.jpg

De acordo com a senadora Mailza Gomes, além do governo federal, esse projeto conta com a participação das prefeituras e também com o governo estadual, por meio da Secretaria de Assistência Social, Direitos Humanos e de Políticas para Mulheres. “Queremos zerar a violência contra as mulheres no estado do Acre. No parlamento estou trabalhando para garantir que os direitos das mulheres sejam cumpridos. E essa ação vem num momento oportuno em que nosso estado precisa tanto de ajuda para combater à violência. Os cerca de R$5 milhões em emendas parlamentares que destinei para contribuir com a construção da Casa da Mulher Brasileira no Acre é uma ação concreta do meu mandato em prol de nossa sociedade”, disse a senadora Mailza Gomes.

 

Espaço integrado e humanizado de atendimento às mulheres em situação de violência

A Casa da Mulher Brasileira é uma inovação no atendimento humanizado às mulheres.  Integra no mesmo espaço serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres: acolhimento e triagem; apoio psicossocial; delegacia; Juizado; Ministério Público, Defensoria Pública; promoção de autonomia econômica; cuidado das crianças – brinquedoteca; alojamento de passagem e central de transportes.


 

A Casa, um dos eixos do programa Mulher, Viver sem Violência, coordenado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República,  facilita o acesso aos serviços especializados para garantir condições de enfrentamento da violência, o empoderamento da mulher e sua autonomia econômica. É um passo definitivo do Estado para o reconhecimento do direito de as mulheres viverem sem violência.

 

Integra no mesmo espaço serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres

acolhimento.png

O serviço da equipe de acolhimento e triagem é a porta de entrada da Casa da Mulher Brasileira. Forma um laço de confiança, agiliza o encaminhamento e inicia os atendimentos prestados pelos outros serviços da Casa, ou pelos demais serviços da rede, quando necessário.

apoio.png

A equipe multidisciplinar presta atendimento psicossocial continuado e dá suporte aos demais serviços da Casa. Auxilia a superar o impacto da violência sofrida; e a resgatar a autoestima, autonomia e cidadania.
 

Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) é a unidade da Polícia Civil para ações de pre­venção, proteção e investigação dos crimes de violência doméstica e sexual, entre outros.delegacia.png

Os juizados/varas especializados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher são órgãos da Justiça responsáveis por processar, julgar e executar as causas resultantes de violência doméstica e familiar, conforme previsto na Lei Maria da Penha.juizado.png

MP.png

A Promotoria Especializada do Ministério Público promove a ação penal nos crimes de violência contra as mulheres. Atua também na fiscalização dos serviços da rede de atendimento.

O Núcleo Especializado da Defensoria Pública orienta as mulheres sobre seus direitos, presta assistência jurídica e acompanha todas as etapas do processo judicial, de natureza cível ou criminal.defensoria.png

Esse serviço é uma das “portas de saída” da situação de violência para as mulheres que buscam sua autonomia econômica, por meio de educação financeira, qua­lificação profissional e de inserção no mercado de trabalho.  As mulheres sem condições de sustento próprio e/ou de seus filhos podem solicitar sua inclusão em programas de assistência e de inclusão social dos governos federal, estadual e municipal.promocao.png

central.png

Possibilita o deslocamento de mulheres atendidas na Casa da Mulher Brasileira para os demais serviços da Rede de Atendimento: saúde, rede socioassistencial (CRAS e CREAS), medicina legal e abrigamento, entre outros.

Acolhe crianças de 0 a 12 anos de idade, que acompanhem as mulheres, enquanto estas aguardam o atendimento.brinquedoteca.png

Espaço de abrigamento temporário de curta duração (até 24h) para mulheres em situação de violência, acompanhadas ou não de seus filhos, que corram risco iminente de morte.alojamento.png

Os serviços de saúde atendem as mulheres em situação de violência. Nos casos de violência sexual, a contracepção de emergência e a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis/aids devem ocorrer em até 72h. Além do atendimento de urgência, os serviços de saúde também oferecem acompanhamento médico e psicossocial.

Serviços de saúde

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades em primeira mão!